domingo, 27 de março de 2011

O Dilúvio










 GÊNESIS 7


17- Veio o dilúvio sobre a terra durante quarenta dias; e as águas cresceram e levantaram a arca, e ela se elevou por cima da terra.


18- Prevaleceram as águas e cresceram grandemente sobre a terra; e a arca vagava sobre as águas.


19- As águas prevaleceram excessivamente sobre a terra; e todos os altos montes que havia debaixo do céu foram cobertos.


20- Quinze côvados acima deles prevaleceram as águas; e assim foram cobertos.


21- Pereceu toda a carne que se movia sobre a terra, tanto ave como gado, animais selvagens, todo réptil que se arrasta sobre a terra, e todo homem.



22- Tudo o que tinha fôlego do espírito de vida em suas narinas, tudo o que havia na terra seca, morreu.


23- Assim foram exterminadas todas as criaturas que havia sobre a face da terra, tanto o homem como o gado, o réptil, e as aves do céu; todos foram exterminados da terra; ficou somente Noé, e os que com ele estavam na arca.


24- E prevaleceram as águas sobre a terra cento e cinqüenta dias.


  GÊNESIS 8


1- Deus lembrou-se de Noé, de todos os animais e de todo o gado, que estavam com ele na arca; e Deus fez passar um vento sobre a terra, e as águas começaram a diminuir.



2- Cerraram-se as fontes do abismo e as janelas do céu, e a chuva do céu se deteve;


3- as águas se foram retirando de sobre a terra; no fim de cento e cinqüenta dias começaram a minguar.


4 -No sétimo mês, no dia dezessete do mês, repousou a arca sobre os montes de Arará.


5- E as águas foram minguando até o décimo mês; no décimo mês, no primeiro dia do mês, apareceram os cumes dos montes.


6- Ao cabo de quarenta dias, abriu Noé a janela que havia feito na arca;


7- soltou um corvo que, saindo, ia e voltava até que as águas se secaram de sobre a terra.



8-  Depois soltou uma pomba, para ver se as águas tinham minguado de sobre a face da terra;



9- mas a pomba não achou onde pousar a planta do pé, e voltou a ele para a arca; porque as águas ainda estavam sobre a face de toda a terra; e Noé, estendendo a mão, tomou-a e a recolheu consigo na arca.



10- Esperou ainda outros sete dias, e tornou a soltar a pomba fora da arca.


11- Â tardinha a pomba voltou para ele, e eis no seu bico uma folha verde de oliveira; assim soube Noé que as águas tinham minguado de sobre a terra.


12- Então esperou ainda outros sete dias, e soltou a pomba; e esta não tornou mais a ele.



13- No ano seiscentos e um, no mês primeiro, no primeiro dia do mês, secaram-se as águas de sobre a terra. Então Noé tirou a cobertura da arca: e olhou, e eis que a face a terra estava enxuta.


14- No segundo mês, aos vinte e sete dias do mês, a terra estava seca.



15- Então falou Deus a Noé, dizendo:


16- Sai da arca, tu, e juntamente contigo tua mulher, teus filhos e as mulheres de teus filhos.


17- Todos os animais que estão contigo, de toda a carne, tanto aves como gado e todo réptil que se arrasta sobre a terra, traze-os para fora contigo; para que se reproduzam abundantemente na terra, frutifiquem e se multipliquem sobre a terra.


18 Então saiu Noé, e com ele seus filhos, sua mulher e as mulheres de seus filhos;


19- todo animal, todo réptil e toda ave, tudo o que se move sobre a terra, segundo as suas famílias, saiu da arca.


20- Edificou Noé um altar ao Senhor; e tomou de todo animal limpo e de toda ave limpa, e ofereceu holocaustos sobre o altar.


21- Sentiu o Senhor o suave cheiro e disse em seu coração: Não tornarei mais a amaldiçoar a terra por causa do homem; porque a imaginação do coração do homem é má desde a sua meninice; nem tornarei mais a ferir todo vivente, como acabo de fazer.



22- Enquanto a terra durar, não deixará de haver sementeira e ceifa, frio e calor, verão e inverno, dia e noite.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário